Dom Pedrito – Adiomar Garcez conta sua história no futebol

    53dfec4c.jpg

    Adiomar Garcez. Quem nunca ouviu falar nesta pessoa? Pois é, quem acompanha o esporte em Dom Pedrito e na região conhece muito bem o dom que este homem possui, tanto para jogar, como para formar atletas. 

     

    Sua relação com o futebol começou muito cedo, logo aos 7 anos Garcez começou a jogar na Escolinha do Botafogo e na época obtinha grande destaque por seu físico ser privilegiado em relação aos jovens de sua idade. Aos 16 anos juntamente com o craque pedritense, Careca, que segundo ele foi o maior jogador da época, possuía grande  técnica e habilidade. Em momentos da entrevista, Adiomar afirmava que Careca foi o maior gênio de toda a história do futebol pedritense. Os dois jovens foram a Porto Alegre fazer teste no Sport Clube Internacional. Por infelicidade dos pedritenses, chagando lá, naquela semana não haveria testes, pois em informações extra oficiais, a equipe estava participando de um torneio em nível internacional.  Foi então, que os dois retornaram para Dom Pedrito. 

     

    Como jogador, Adiomar ganhou todas as competições possíveis  em Dom Pedrito. Já como técnico, foi fundador da escolinha dos Metralhas, onde venceu todas as competições da cidade e não havia custo para os jogadores que treinassem. Em entrevista ao Portal de Notícias da Qwerty, Garcez afirmou, que "se eu colocar o olho em um menino, em 15 minutos faço uma análise nele e digo se ele tem condições de ser jogador de futebol ou não". Foi em um torneio na pracinha do bairro José Tude de Godoy (Promorar) que o treinador conheceu Diouzer Santos, na época com 11 anos. Logo após assistir um jogo do jovem, o treinador convidou o futuro craque para fazer parte do seu projeto social, a Escolinha dos Metralhas. Adiomar começou a trabalhar em separado com Diouzer, pois segundo ele, o talento que Santos possuía era um dom de Deus e afirmou que o jovem além de gênio, era diferenciado dos garotos de sua idade.

     
    Ainda com 11 anos, Garcez resolveu levar o jovem para fazer testes no Grêmio, em Porto Alegre, porém o treinador não tinha dinheiro para ir até a capital. Mesmo assim, Adiomar foi com o atleta para realizar os testes de carona em um caminhão, apenas com o dinheiro para fazerem lanche. Segundo o técnico, logo no primeiro treino o pedritense driblou todo o time adversário e impressionou a todos que assistiam o coletivo. Jurandir, responsável pelas categorias de base do tricolor gaúcho, na época quis ficar com o craque de Dom Pedrito, em Porto Alegre. "Devido as forças políticas que são muitas no Grêmio, onde muitos jovens pagam para estar lá dentro, e na época haviam muitos filhos de diretores jogando, nós não tínhamos essa força necessária para jogar lá", revela o treinador. 

     

    Outro jogador denominado Junior Alexandre, que o professor conheceu na praia, onde Alexandre trabalhava carregando areia, foi descoberto por Adiomar. O técnico, na época, da equipe do Olaria, deu chuteiras, alimentação e matriculou o jovem em uma escola. Com 30 dias de trabalho intensivo, o jogador estava na equipe do Pelotas. O atleta, conhecido por Morango, teve passagem por diversas equipes de Santa Catarina, França e se afirmou no Litex Lovech, da Bulgária.

     

    O curioso, foi que durante a entrevista o professor se emocionou e foi as lágrimas por lembrar de vários fatos que ocorreram enquanto técnico de escolinhas de futebol, demonstrando seu amor pelo futebol. Jogadores como Anderson Silva e Vinícius Flores, são grandes apostas de Garcez no momento. Confira o espírito de gratidão e o relato de dois dos jogadores que o técnico formou.

     

     

    Diego Santos "Pulguinha"
    O Adiomar é sem palavras, um pai pra mim e pro meu irmão Diouzer. A consideração por ele não só pelo futebol como pessoa é inexplicável. A primeira coisa que ele me ensinou é ter personalidade e responsabilidade, o Adiomar me levou pro Santos FC  com contato forte lá de dentro . Ele não é um cara do dinheiro por que ele tem muita personalidade, mas se ele me levou sem ter um empresário forte -que hoje no futebol se não tiver empresário tu não joga- ele me levou, pois acredita no meu potencial. O Adiomar é sem palavras pra mim dentro e fora das quatro linhas, um pai", disse o jovem que está atualmente jogando no Manhuaçu, um clube do estado de Minas Gerais. 

    Marcio Telê
    "Falar desse cara é uma honra pra mim. Uma pessoa que me ensinou muito, não só no meio do futebol, como na vida pessoal sempre me ensinando o que é certo e errado. Um 'paizão', tenho muita admiração pela pessoa que ele é, sempre foi parceiro e amigo. Nas dificuldades que encontramos juntos ele tava sempre ali pra servir de apoio. É uma pessoa incrível e eu só tenho a agradecer por tudo que ele fez por mim e vou levar comigo sempre os seus ensinos. Amo esse cara e tenho muito orgulho dele", completou Telê,  atleta que já jogou em vários clubes do Brasil e no Japão. Hoje, segundo informações extra oficiais o jogador está residindo em Dom Pedrito e estuda propostas para voltar a atuar profissionalmente. 

    Nossa reportagem tentou manter contato com o jogador Diouzer Santos, também revelado por Garcez, mas devido a falta de tempo do jogador, que atualmente também atua pela seleção de Guiné Equatorial, não conseguimos obter seu relato. 

    Reportagem: Elliézer Garcez
    Por: Marcelo Brum – MTB/RS 84.490 – FENAJ 8202
    Setor de jornalismo: portal@qwerty.com.br